Tags

todas%20as%20noites%20internaQuem nunca “perdeu a cabeça” por alguém? E quem nunca sentiu, por algum motivo, que “cabeças iam rolar”? Cabeças cortadas freqüentam, há tempos, o universo das artes. Foi a partir daí e de uma boa dose de imaginação que Walter Daguerre e a Cia do Fusca criaram o espetáculo Todas as noites de todos os dias.
A história se passa à noite, em uma cidade qualquer, onde se imaginam outros cenários com o desenrolar da trama. Tudo começa quando Breu da Noite (Danilo Watanabe) faz sua ronda e encontra uma Cabeça de Mulher (Camila Nhary). Enquanto tenta descobrir quem é ela, chegam o Carteiro (João Ferreira), em seguida, a Mendiga (Raquel Libório), João (Pablo Aguilar) e sua esposa Gertrudes (Ana Carolina Sauwen).

Quando eles descobrem que a Cabeça de Mulher não tem corpo e não sabe nem quem é, decidem contar suas memórias para estimulá-la a se lembrar de alguma pista sobre seu passado. João fala da paixão de sua vida, Amélia, uma vendedora de ovinhos coloridos, disponíveis em bares. Gertrudes conta que largou o emprego para fazer cafezinho e cuidar do marido em casa. O Breu da Noite fala do amor da adolescência e o Carteiro das mulheres que conquistou em cada porto, pois, antes de ser carteiro, tinha sido da Marinha. A mendiga revela seu drama familiar e, enfim, a Cabeça de Mulher vai lembrando de como tornou-se uma cabeça sem corpo.

A direção é de Angel Palomero e o texto foi feito em conjunto por Walter Daguerre e os atores. A bagagem que cada um trazia contribuía para o nascimento das cenas. A iluminação noir dialoga com a trilha sonora assinada por Augusto Licks, músico e ex-guitarrista dos Engenheiros do Hawaii.

Com citações que levam a obras de Nelson Rodrigues, Oscar Wilde e Shakespeare, entre outros, sem contar a intertextualidade com a música pop, em uma coreografia que tem passos de Thriller, a trama leva à reflexão de que a vida deve ser vivida com intensidade, mesmo que se perca a cabeça de vez em quando.

Após a temporada de estréia no Teatro Maria Clara Machado, no Planetário da Gávea, Todas as noites de todos os dias continua no Rio de Janeiro, na Casa de Cultura Laura Alvim, às 21h, de quarta a domingo. Para mais informações, (21) 2267-1647 ou 2247-6946.

Ficou com vontade de ir ao teatro assistir Todas as noites de todos os dias? O teatro te faz parar para pensar em questões maiores do que o simples desenrolar da trama?

Por Carolina Braga

Anúncios