Tags

, ,

Engenheiros do Hawaii

Augusto Licks não é apenas um excelente guitarrista como foi importante parceiro nas composições de Nei Lisboa e Humberto Gessinger. Em seu “BloGessinger“, o baixista menciona em DISC(*) C(*)M N(*)TAS DE R(*)DAPÉ – 44 suas impressões sobre o músico.

No início do texto relembra como gravou a demo do terceiro disco dos Engenheiros do Hawaii

(*) Gravei a demo do disco OUÇA O QUE EU DIGO: NÃO OUÇA NINGUÉM num Portastudio Tascam que eu havia comprado do Augusto Licks antes de sua entrada na banda. O aparelho gravava em 4 canais, usando (…)

Finaliza o balanço de 11 músicas em parceria com Augusto. Num tom um pouco misterioso deixa no ar que gostaria de compor com o guitarrista no futuro.

 (*) Comecei o texto falando no Augusto, falarei dele para encerrar. Neste disco apareceram nossas primeiras parcerias. 3 canções. Ao todo fizemos 11. Espero que esta conta não esteja fechada. Ele foi o músico mais caprichoso com quem já tive o prazer de tocar. Não sei (nunca soube ou não me lembro) se ele pensava com inteligência e sentia com emoção; mas na sua música estes dois ingredientes, sem dúvida, estão presentes.

Até onde se sabe desde que a formação Gessinger, Licks e Maltz se desfez, tanto Humberto quanto Carlos não falaram mais com Augusto. Se houve um minimo esforço para que a parceria fosse retomada não se sabe. O final da história foram as brigas e trovoadas espalhadas pela mídia que, não só gosta de matar a cobra como também de mostrar o pau.

Em 10 de janeiro de 2015 um caderno especial sobre os 30 anos de Engenheiros do Hawaii foi publicado no jornal Zero HoraA publicação traça toda a trajetória da banda e o que aconteceu no final da turnê do disco acústico Filmes de Guerra, Canções de Amor, incluindo um dos comentários publicados sobre Augusto na época:

especial zero hora

Já com o cantor e compositor Nei Lisboa a amizade continua mesmo com a distância. Um mora no Rio de Janeiro e outro em Porto Alegre. Desde que Augusto foi convidado a entrar no trio em 88 a dupla jamais tocou ou compôs novamente. Em entrevista para o portal Culturíssima em 5 de julho Nei menciona Augusto Licks como principal parceiro musical no anos 80.

Culturíssima: Você é um grande letrista. Costuma ceder muitas letrar para outros artistas?

Nei: O material que eu tenho pronto, quando me pedem para gravar, eu libero. Quando me pedem letra, em geral tenho que dizer não, porque está sempre me faltando. Escrevo muito lentamente, minha produção não é aos borbotões, não sai fácil. Então sempre tenho muita música sobrando, para colocar letra que nunca termino. Quase não tenho parcerias nesse tempo todo, nesse sentido de alguém mandar música e tal. Umas vezes eu tentei, mas não consegui. Desde muito tempo também, de um jeito ou de outro, não fiz mais parceria com ninguém. Me acostumei ao fato de que fazer sozinho gera menos probabilidade de constrangimento comigo mesmo, entre o compositor e o letrista. Fazer a quatro mãos é sempre difícil, tem que ter uma afinidade, que tive muito com o Augusto Licks nos anos 80, quando fizemos grandes coisas, mas depois não tive mais parceiros assim e me acostumei a ser parceiro de mim mesmo.

Para você ouvir segue os links abaixo com as discografias e músicas em parceria com Nei Lisboa.

PRA VIAJAR NO COSMOS:

Não me pergunte a hora: Nei Lisboa / Augusto Licks

Pra viajar no cosmos não precisa gasolina: Nei Lisboa / Augusto Licks

Sinal AzulNei Lisboa / Glauco Sagebin / Augusto Licks / Peninha

Água Benta :Nei Lisboa / Augusto Licks / Clovis Frimm

NOVES FORA

Verdes Anos: Nei Lisboa / Augusto Licks

CARECAS DA JAMAICA

Maracujás: Nei Lisboa / Augusto Licks

Carecas da Jamaica: Nei Lisboa / Augusto Licks

Refrão: Nei Lisboa / Augusto Licks

Anúncios